Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Minha História - Luiz Gonzaga de Carvalho (Pato)

02/12/2005, por Corpore
Voltar para Menu das Histórias de Corredor
*Texto de no máximo 4 mil caracteres [ou duas (02) páginas]
**máximo cinco (05) Imagens em JPEG - resolução 150 DPIS
OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

Luiz Gonzaga de Carvalho - Pato

Tenho 63 anos e corro maratonas

Em 1979, aos 37 anos, quando assistia na TV uma Corrida de São Silvestre, tive um “insight” que mudaria minha vida para sempre. Na época, tinha hábitos nada saudáveis. Como era músico da noite, dormia muito pouco, era obeso com barriga, fumava como louco e bebia. Mas, a partir daquele momento, decidi que faria uma transformação radical para me tornar um atleta.

Mas essa grande virada não aconteceu da noite para o dia. Comecei a correr nas ruas de São Paulo, logo cedo pela manhã. Às vezes, quando estava muito cansado, treinava no período da noite. Percebi que este ritmo de treinamento começava a ficar incompatível com o estilo de vida que eu levava até então. Minha primeira medida para isso foi tentar parar de fumar, quando fui alertado por um médico que me expôs todos os riscos. Parei de fumar quatro a cinco vezes antes de abandonar definitivamente o vício. Não foi fácil. Mas tive fé em Deus e coloquei o problema nas mãos dele. Na última tentativa, fiz uma promessa drástica, dizendo a Deus que se voltasse a fumar que eu perdesse completamente a visão. Em seguida, foi a vez da bebida.A principal tomada foi fugir dos amigos que praticamente me arrastavam para o bar. O esporte está intimamente ligado a tudo que é bom, saudável.

Além disso, mudei meus hábitos alimentares. Cortei gorduras em excesso, frituras, carne vermelha, passando a consumir mais carnes brancas. Comecei a ingerir muito carboidrato para ganhar energia e massa muscular. Aos poucos, fui perdendo a barriga, reduzindo o peso, aumentando o tônus e a massa muscular. Perto dos 40 anos, comecei a me sentir como um jovem de 20. Isso me animou mais ainda.

Em 1979, fiz a Prova Meia-Maratona da Independência, em São Paulo, promovido pela Gazeta Esportiva, após quatro meses de treino. Fui classificado entre os 400 primeiros atletas, em um prova que reuniu 1.500 participantes.

Em dezembro de 1979, fiz minha estréia na São Silvestre; fui bem e completei a prova. Daí em diante, não parei mais. Foram mais de 500 provas no Brasil e no Exterior. Participei da Corrida de São Silvestre, Meia-Maratona do Rio de Janeiro, Circuito Corpore, Maratona de Blumenau, Maratona de São Paulo, entre outras competições de meio-fundo (a partir de 1,5 mil metros), fundo (a partir de 10 mil metros), meia-maratona e maratona. Fora do Brasil, corri a Maratona de Nova York, a Maratona de Paris, entre outras. Sou pentacampeão do Circuito Corpore de Corrida de Rua (10 quilômetros), em minha faixa etária, e bi-campeão sul-americano da Meia-Maratona de Buenos Aires.

Hoje em dia, treino de três a quatro horas diariamente, sob a batuta do técnico Wanderlei de Oliveira, no Ibirapuera. Além do treino, cuido da minha alimentação, tomo complexos vitamínicos e durmo cedo.

Mas como nem tudo são flores... Há cerca de dois anos, comecei sofrer as conseqüências de uma lesão no joelho, que chegou a ameaçar minha participação em competições. Fiz uma verdadeira maratona por consultórios médicos e alguns destes profissionais não acreditavam que valesse a pena tratar o problema por conta da minha idade. Mas eu saberia que se continuasse como estava não poderia mais correr. Minha última tentativa ocorreu há quatro meses, quando procurei a ortopedista e especialista em Medicina Esportiva Sandra Sasaki. Ela assumiu esta luta comigo e resolveu me tratar. Para isso, fez um programa de fisioterapia e medicações aliada a uma nova disciplina de treinamento e conscientização. Pouco a pouco, fui melhorando. Hoje, já estou 60% melhor, corri a Maratona de Paris, a Maratona Pão de Açúcar e vou participar da Meia-Maratona da Disney, no dia 7 de janeiro de 2006. Estou me tratando e treinando forte para isto.

Minha mensagem é para que as pessoas sejam fortes, corajosas, determinadas. Ao levantar e ver um dia chuvoso, não desanime. Vá em frente, treine com garra e afinco. Quando você estiver tomando o seu banho após o treino, pense o quanto valeu a pena. Fique orgulhoso do que fez. Para quem está começando meu conselho é que aposte de verdade na prática de exercícios. Não precisa querer sair correndo de logo de cara em uma maratona. Mas dar os primeiros passos vão fazer muito bem para o teu corpo, tua mente e tua alma. Comece agora.

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe



 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH