Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

A um passo da VITÓRIA - 04/05/09

05/05/2009, por Corpore


Nessa matéria publicada na Veja São Paulo, sabemos mais sobre a menina Rayssa Carvalho que é amputada e fez a estréia de sua prótese na Corrida Infanto-Juvenil Corpore Batavinho.

A um passo da VITÓRIA

Primeira brasileira amputada a usar a moderna prótese Sprint, Rayssa Carvalho treina para superar seus limites e virar corredora profissional

Por Helena Galante

Como é o equipamento
Avaliada em 25 000 reais, a prótese usada por Rayssa pesa 1 quilo. Durante a corrida, a lâmina de fibra de carbono, que tem a forma de meia-lua, assemelha-se a uma mola e devolve como impulso até 85% da força aplicada pela atleta. O adesivo com a bandeira do Brasil foi um presente do treinador Paulo de Almeida

Aos 12 anos, Rayssa Carvalho já praticou muitos esportes: judô, natação, capoeira, basquete, futebol e handebol. Sua meta agora é o atletismo. Numa época de crianças hiperativas, tal desempenho passaria longe do extraordinário. Não fosse por um detalhe. Há sete anos, a garota precisou passar por um procedimento de correção de pé torto. Complicada por problemas vasculares, a cirurgia foi malsucedida. O caso chamou a atenção do ortopedista e traumatologista Marco Guedes, que conseguiu operar Rayssa gratuitamente no Hospital Sírio-Libanês. "Tivemos de amputar parte de sua perna esquerda", conta Guedes, que desde então tem acompanhado sua recuperação. "Ela é uma guerreira." Aluna da 6ª série do colégio Pueri Domus, no Itaim Bibi, e matriculada na Fórmula Academia, Rayssa tira boas notas e não falta aos treinos. Por sua dedicação, foi escolhida pela Associação Desportiva para Deficientes (ADD) para receber a moderna prótese de corrida Sprint, feita de fibra de carbono. É a primeira brasileira a usar o modelo que ficou conhecido por causa do sul-africano Oscar Pistorius, ganhador de três medalhas de ouro na Paraolimpíada de Pequim.

Amputado em razão de um acidente de trabalho numa metalúrgica, o atleta e treinador Paulo de Almeida, da ADD, trouxe a prótese de Rayssa dos Estados Unidos. Depois de completar dez vezes a Maratona de Nova York e participar de corridas de aventura e provas de triatlo, ele sonhava em ver uma criança velocista. "A Rayssa vai aparecer por suas conquistas, não pelas deficiências", diz, emocionado. "Ela vai começar a correr com a Ferrari das próteses, pode ir longe." Rayssa ganhou a Sprint há um mês e tem segurado a ansiedade de dar voltas na pista. Serão necessários ao menos três meses de exercícios de musculação antes de iniciar os treinos para as provas de 100 e 200 metros. Para o dia a dia, a menina nascida em Teresina, no Piauí, e que mora há sete anos no bairro de Capão Redondo, na zona sul da cidade, usa uma prótese diferente, que simula a movimentação do tornozelo. Rayssa não tem vergonha de deixá-la aparente. Usa short e sandálias quando quer. Não gosta de maquiagem, brincos nem de colares. Mas deixa escapar seu lado vaidoso ao mostrar a Sprint: "É muito bonita, não?". Como qualquer menina de sua idade, assiste a filmes na televisão e brinca na internet. Além do sonho de tornar-se atleta profissional – agora mais próximo –, tem planos acadêmicos. "Quero ser médica ortopedista", diz.

 

 





 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH