Siga a Corpore
A CorporeAssocie-seBenefíciosConvêniosLinksContatoAjuda
 

Corpore Responde - Janeiro de 2010

Confira agora mais algumas dúvidas selecionadas da comunidade de corredores.

Caso queira participar, envie sua questão clicando aqui.

Atenção: para dúvidas referentes aos eventos e dia-a-dia da entidade utilize o Fale Conosco.

Gostaria de saber quantas meias maratonas podemos participar durante o ano, sem se preocupar com tempo, para que não haja grandes perdas para o organismo?
Ciro Arruda de Oliveira
Osasco - SP


Não existe um número exato de quantas 1/2 maratonas podemos participar durante um ano, pois depende muito de cada atleta, onde fatores como histórico de corridas e de lesões, reação do organismo após a realização de uma das provas, o intervalo entre uma meia-maratona e outra no calendário,etc. interferem na realização ou não de uma outra Meia-Maratona. Além disso, um número "x" de 1/2 maratonas em um ano pode ser excelente para você e para um colega seu pode ser muito.
O que eu posso te ajudar no seu planejamento de provas é que, na média de corredores, o número máximo de provas que um corredor que foca melhorar o rendimento em 1/2 maratonas ou concluí-las bem é de 3 ou 4 provas desta distância no ano, mas se você fizer até 2 provas de 21,1 km, acredito que não terá problemas tanto de lesões quanto na performance.
Vale lembrar que é mais importante reservar um dia do final de semana para fazer um treino específico para a distância que for participar do que competir em todos os domingos, uma vez que você utilizará  o treino para buscar o 100% da sua forma física no dia da prova em que está focando (no seu caso, uma Meia-Maratona), ao contrário de uma prova, onde você correrá no seu 100% em todos os domingos, que pode ser crucial para você se lesionar e não correr bem a prova que você tanto deseja se sair bem.

Marco Costa - técnico da assessoria esportiva Branca Esportes

Já corro a algum tempo gostaria de saber o melhor treino para perde peso, rodagem, tiros e qual a frenquência cardíaca ideal?
José Marcos Gomes
São Paulo - SP

Para você ter um bom desempenho nos treinos e nas provas, o ideal é combinar, durante a semana, treinos de longa duração (entre 40 minutos e 1h30min. Se treinar para maratona, este tempo aumentará), treinamentos intervalados (corrida em intensidades moderada e forte, com um intervalo entre estas) e rodagens de 30 a 40 minutos durante a semana.
Como ajuda, segue um exemplo de montagem para distribuição semanal destes treinos: treinamentos intervalados às terças e quintas (ex: 10 minutos de aquecimento, 5 x 5 minutos forte/1 minuto andando); rodagens de 30 a 40 minutos às quartas e sextas; treinos de longa duração aos sábados; outro treino de rodagem (20 a 30 minutos) aos domingos e descanso às segundas-feiras.
Outra dica é você aumentar gradualmente o volume de treinos a cada 3 semanas e deixar 1 semana de recuperação, para evitar lesões musculares e a tão conhecida lesão pelo excesso de treinamento (overtraining), que pode fazer com que você reduza o seu desempenho, ao invés de melhorá-lo.
Antes de sabermos a frequência cardíaca ideal para estes treinos, precisamos descobrir qual a frequência cardíaca máxima através de  um teste ergoespirométrico ou um teste ergométrico. Caso não seja possível realizar nenhum dos dois testes, utilize a fórmula “220-idade (anos)” e você encontrará sua frequência cardíaca máxima. Após esta ser descoberta, é possível utilizar de 60 a 75% dela para treinos de longa duração e rodagens (que são caracterizadas por serem de intensidade leve) e de 80 a 95% nos treinamentos intervalados.

Marco Costa - técnico da assessoria esportiva Branca Esportes

Sempre que me hidrato durante as provas sinto dores na regiao abdominal, isso é pela minha respiração estar errada? Existe algum tipo de treino para melhorar a respiração?
Eduardo Seity Kamikoga
São Paulo - SP


A respiração pode ser sim uma das causas das suas dores abominais durante a prova (estou considerando que esta dor seja uma “pontada” e não uma dor muscular tradicional. Se for o segundo caso, procure um médico, que é o profissional mais indicado para isso), uma vez que você pega o copo d’água nos postos de hidratação e ingere-o sem reduzir sua velocidade durante a corrida. Isso faz com que a água ingerida e os gases que a compõem (hidrogênio e oxigênio) se misturem com a grande quantidade de oxigênio que o organismo capta do meio ambiente (por precisar deste gás durante a corrida para a realização do metabolismo num esforço de longa duração) e de gás carbônico que é eliminado do nosso corpo. Essa mistura citada não consegue que o nosso organismo dê conta de tantos gases “trabalhando” em alta velocidade e ao mesmo tempo.
Outra hipótese desta dor é a quantidade de água que você ingere durante a prova. Se for mais de 2 copos, ela pode deixar o seu corpo “pesado” por ainda estar no seu estômago antes de ser absorvida pelas células e hidratá-las.
Para estas dores abdominais diminuírem, seguem 2 sugestões: tomar apenas 1 copo de água em cada posto de hidratação e diminua a velocidade da sua corrida enquanto está ingerindo a água (se quiser melhorar seu tempo na corrida, você recupera depois da hidratação). 

Marco Costa - técnico da assessoria esportiva Branca Esportes


Gostaria de saber sobre o BCAA. É indicado tomá-lo antes e depois dos treios de corrida?
Carla de Cássia
São Caetano do Sul - SP


Talvez sim, talvez não. Os aminoácidos de cadeia ramificada, popularmente conhecidos como BCAAs, compreendem 3 aminoácidos essenciais (que o organismo não é capaz de produzir): leucina, isoleucina e valina. Apesar destes aminoácidos não serem considerados a principal fonte de energia para o processo de contração muscular, sabe-se que estes atuam como importante fonte de energia muscular durante o estresse metabólico. Neste contexto, estudos têm mostrado que nestas situações a administração de BCAAs, particularmente a leucina, poderia estimular a síntese protéica (produção de músculo) e diminuir o catabolismo protéico muscular (utilização da massa muscular como fonte de energia). Promete ainda: retardar a ocorrência de fadiga central, aumentar o rendimento esportivo, poupar os estoques de glicogênio muscular e aumentar os níveis plasmáticos de glutamina após o exercício intenso.
A suplementação com BCAAs pode promover um aumento significativo nos níveis plasmáticos de glutamina no período de recuperação (pós-exercício), uma vez que servem de substrato (alimento) para a síntese (produção) deste aminoácido.
Outros estudos relatam não haver necessidade para a ingestão de BCAAs, antes e durante o exercício, como estratégia para melhorar o desempenho esportivo. Porém, a ingestão de aminoácidos, em particular de BCAAs, pode trazer benefícios de outra natureza, tais como a redução do catabolismo protéico durante o esforço e/ou durante a recuperação.
Diante de estudos contraditórios o ideal é procurar um profissional especializado para uma orientação individualizada, para que juntos, possam optar pelo melhor suplemento de acordo com as necessidades da prova de treinamento e competição.

Pricila Wyrgun – Nutricionista do Sport Clube Barueri (Futebol Profissional).




 
Últimas notícias
2017-Centro Histórico-Indicadores
Congresso Brasileiro de Nutrologia
Dia Mundial para Atividade Física
Calendário AIMS
Inscritos Centro Histórico 2017
10 Primeiros (as) Meia Maratona
Princesa Magical Run
Pesquisa Especial
Entidade de Utilidade Pública Municipal-Renovação
Alan Steinfeld
Perda de peso e atividade física
 
Por: Corpore

2002-2017 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH