Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Minha História - Regina Miranda

30/05/2004, por Marcel Trinta

Voltar para Menu das Histórias de Corredor
*Texto de no máximo 4 mil caracteres [ou duas (02) páginas]
**máximo cinco (05) Imagens em JPEG - resolução 150 DPIS
OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

Regina Miranda - corredora associada em Minha História

Na realidade comecei a treinar por influência de alguns amigos e com a orientação do Profº Nuno Cobra.

No início eram trotes bem lentos para não sobrecarregar as articulações...Com isso aprendi a correr por prazer.

Cheguei a correr a Meia Maratona do Rio de Janeiro, mas logo em seguida, engravidei. Confesso que durante a gravidez apenas diminuí o ritmo. Na última semana de gestação, estava em casa e tudo já estava pronto. Estávamos apenas na expectativa do nascimento da Sofia.

Como eu tinha muito tempo livre, ligava a esteira em posição inclinada e caminhava rapidamente por até 02 horas. Emagreci 1,5 kg nesta última semana. O parto foi normal e exatamente 12 dias após o parto eu já estava com o meu peso normal.

A Sofia nasceu grande e gorda, era um bebê aparentemente saudável... Alguns dias depois, seus olhos e pele foram ficando amarelados - "icterícia". Consultamos alguns médicos e todos diziam ser normal, quando então um deles resolveu investigar melhor e nos indicou uma especialista em hepatologia infantil: Dra. Gilda Porta que imediatamente nos deu o diagnóstico: "Atresia de Vias Biliares". No caso da Sofia os canais biliares não haviam se formado e, conseqüentemente, o fígado não tinha como drenar as toxinas para o intestino.

Marcamos a 1ª cirurgia para a mesma semana, mas já sabíamos que esta cirurgia tinha apenas 20% de probabilidade de sucesso. Fizemos muitas orações, mas infelizmente nós não estávamos entre os 20% de contemplados... Teríamos de submetê-la a um "Transplante de Fígado".

Meu mundo desabou naquele momento...Eu sequer conhecia um ser humano que tivesse realizado um transplante...Era algo tão distante da minha realidade! A Sofia, então, foi incluída na fila de receptores de órgãos do Estado de São Paulo, onde esperaria por um fígado de doador cadáver...

A fila de espera por um fígado pode demorar cerca de 03 anos. A minha tranqüilidade era saber que "eu" era uma possível doadora, pois reunia todas as condições necessárias.

Com muitas dificuldades e limitações aprendemos a conviver com este problema e esperar pacientemente pelo novo órgão... Foram dias muito difíceis...Mas a atividade física sempre me ajudou a controlar a ansiedade! Treinava apenas para me distrair...

Manter um certo ritmo e condicionamento físico sempre foram prioridades em minha vida...Por conta disso, tenho o mesmo peso - 61 kg - desde os meus 15 anos.

Certo dia, a Sofia acordou vomitando sangue...Eu sabia que este dia seria decisivo. Ela foi devidamente medicada, quando então recebemos a seguinte orientação: É hora de realizarmos o transplante... Na semana seguinte realizei todos os exames e 15 dias depois nos internamos no Hospital Sírio Libanês, onde eu doaria 1/3 do meu fígado para a minha filha.

A cirurgia demorou cerca de 12 horas e tudo correu muito bem! No dia seguinte, a Sofia já receberia alta da UTI.

Eu fiquei internada apenas 03 dias e a Sofia uma semana.

No começo eu andava com dificuldades, pois as dores abdominais eram intensas e indescritíveis. A nossa recuperação foi muito rápida e exatamente 40 dias depois, eu já estava correndo novamente.

Hoje, graças a Deus e aos médicos, temos uma vida normal.

Regina Miranda - 34 anos - mãe da Sofia 3 anos e 6 meses.

Parecer do médico responsável:

Dr. Paulo Chapchap é Doutor pela FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), cirurgião pediátrico, especialista em transplante hepático. Atua como chefe do departamento de Transplante Hepático do Hospital do Câncer - AC Camargo e do Hospital Sírio Libanês, é editor associado da Revista "Liver Transplantation"

Segundo o Dr. Paulo Chapchap:

Apesar de tratar-se de uma cirurgia de alta complexidade, onde parte do fígado da doadora foi retirado, a recuperação é relativamente simples. No caso da Regina que já tinha um histórico de bom condicionamento físico e boa alimentação, a recuperação é ainda mais rápida. A alta três dias depois da cirurgia é um recorde para este procedimento e, sem dúvida, o estado de saúde e a reserva orgânica proporcionados pela atividade esportiva regular contribuíram para o resultado. O fígado é um órgão que se regenera facilmente, possibilitando a ambas - doadora e receptora - condição de vida normal e aptas à prática de qualquer modalidade esportiva.

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe




 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Marcel Trinta

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH