Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Minha história- Mauro Rosa

20/08/2008, por Corpore
Voltar para Menu das Histórias de Corredor

OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

Mauro Rosa

Precisamente em março de 2007 debutei no mundo das corridas. No início as lesões no joelho e no calcanhar sinalizavam o que vinha pela frente, a força de vontade aliada às sessões de fisioterapia me ajudaram na recuperação. Nessa primeira fase a experiência que levei foi, saber “ouvir o meu corpo”.

De março até novembro foram 260 Km apenas de participações em provas (várias de 10K, 1 prova de 25K, 3 Meia maratonas e 1 MARATONA), e justamente sobre essa última prova que gostaria de falar... Para isso, vamos voltar ao mês de junho deste mesmo ano, na Maratona de SP que junto com o Clayton  e o Sr. Olimpio corri os 10k. Naquele dia tive o sentimento e a vontade de também ser um maratonista, a partir de então comecei a vasculhar as matérias, planilhas e através de muito planejamento iniciei a preparação.

Realmente não posso dizer que foi fácil, como disse, tive que me planejar, conciliar trabalho, família, lazer, treino e principalmente, foco nos 42Km.

Iniciava-se então a contagem regressiva para uma verdadeira batalha!

Grande Dia: No dia 25 de novembro de 2007 realizei o meu sonho! Participei da 11ª Maratona da Cidade de Curitiba, uma experiência inigualável, algo que só participando para “tentar” descrever!

Organização impecável, uma verdadeira festa! O fato de conviver dois dias com vários maratonistas (alguns corredores com mais de 50 maratonas no currículo) certamente ajudam a aliviar a tensão. Ao iniciar a prova a ansiedade tomou conta, passei alguns segundos achando que não tinha feito um bom negócio, e me perguntava, o que eu estava fazendo naquele lugar? Apenas oito meses de corrida não seria suficiente. E agora? Alguns marcadores apontavam 35º!

Imaginando as dificuldades de correr 42,195km, inicie a peregrinação ritmando leve cada quilômetro (4:40 por km), consegui manter essa performance ao longo da prova, concluindo em 3h17min. Por ser a primeira até que não foi mal, entre várias subidas e muito, muito calor, a Maratona de Curitiba é considerada uma das mais difíceis do Brasil.

Na minha opinião? Verdadeiramente... Não senti tantas dificuldades, porém agradeci imensamente os meus longos treinamentos principalmente após passar pelo quilômetro 32 onde o cenário era digno de um palco de guerra. Algumas pessoas vomitando, outros largados na sarjeta, alguns com câimbras e eu tranqüilo seguindo meu caminho rumo à linha de chegada.

Agradeço imensamente o incentivo do Jean e do Christian, pessoas essenciais na realização desse desafio. Ao seu Olimpio, amigo de tantos treinos e  pessoa digna de exemplo para todos, aos amigos do GEHAKA RUNNING TEAM (não posso esquecer de ninguém) que acreditaram e estiveram comigo em todos os momentos, e em especial a minha esposa e o meu filho que mesmo distante torceram e estiveram presentes nessa caminhada.

Valeu galera, nos vemos nos treinos e também nos próximos desafios!

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe!!

 



 
Últimas notícias
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH