Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

História de Corredor - Karen Canaan

25/3/2003, por Flávia de Almeida Prado

Voltar para Menu das Histórias de Corredor
*Texto de no máximo 4 mil caracteres [ou duas (02) páginas]
**máximo cinco (05) Imagens em JPEG - resolução 150 DPIS
OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

 

Karen Canaan em Minha História - Corrida Pão de Açúcar Club
Recebemos dia 24 de março, uma mensagem muito especial de uma corredora iniciante. Ela que nunca havia visto uma prova de perto, menos ainda participado, contou um pouco da emoção que sentiu na manhã domingo - dia da Primeira Corrida Pão de Açúcar Club. Leia abaixo o depoimento de Karen Canaan, e veja como a corrida não é apenas um esporte, mas também um exercício de cidadania e humanidade.
Comecei a correr há poucos meses (forçada a perder cerca de 15kg que ganhei depois de parar de fumar, e sair de uma crise de stress). Nunca fui fã de sair correndo sem rumo por aí, gostava mais de dar umas pedaladas (indoor-Spinning) na academia.

Comecei a caminhar no parque do Ibirapuera, por incentivo de um amigo. Depois de algumas idas ao parque, comecei a trotar e até arriscar correr, mas depois de 1km e eu já estava morta.

Sem fumar há dois anos e de volta a malhação há oito meses, consegui eliminar os quilinhos extras e além disso, reconquistei minha saúde. Mas mesmo assim, continuava com uma dúvida: O que leva um monte de gente a acordar cedo numa manha fria como a de 23 de março para sair correndo?

Conheci a Corpore por intermédio de um amigo que corre há muito tempo e trabalha com Marketing Esportivo, inclusive para algumas provas da Corpore. Entrei no site e me familiarizei com o mundo das corridas. Tudo muito bonito, mas será que funciona?
Tive a resposta neste domingo, quando corri a minha primeira prova: os 6.5KM do
Circuito Corpore Pão de Açúcar 2003.

A resposta veio mais clara inclusive por ver toda organização, dedicação, estrutura médica, e descobri que não importa se você é gordo, magro, atleta, jovem, idoso ou criança! O prazer de superar seus limites pessoais não tem cor, sexo ou idade.

A resposta a tudo vinha em cada curva, quando cruzava pessoas sorrindo durante uma dura subida, incentivando um desconhecido que estava a ponto de desistir com uma palavra amiga.

Foi isso: o prazer de correr estava sendo desvendado e principalmente estava sendo cravado definitivamente em mim.

Ao cruzar a linha de chegada, pensei: "POR QUE NÃO DESCOBRI ISSO ANTES?".

Esta mensagem foi um desabafo, um relato e também um agradecimento. Agradecimento a Corpore e a todos os patrocinadores e colaboradores, por se dedicarem com tamanho empenho em transformar simples corridas em grandes eventos.

Deixo aqui meu agradecimento e nos vemos novamente na Meia Maratona Corpore, 1ª Maratona Corpore, 6K CORPORE/Exército Brasileiro.

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe





 
Últimas notícias
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
 
Por: Flávia de Almeida Prado

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH