Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Minha História - Alexandre Oréfice Pinheiro

31/01/2006, por Corpore
Voltar para Menu das Histórias de Corredor
*Texto de no máximo 4 mil caracteres [ou duas (02) páginas]
**máximo cinco (05) Imagens em JPEG - resolução 150 DPIS
OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

Alexandre Oréfice Pinheiro

Iniciei a prática constante de atividades físicas aos 19 anos, treinando para um concurso vestibular. Conseguia correr 3.200 m em 12 minutos, fazia 20 barras, mais de 60 abdominais por minuto. Minhas bronquite, renite, sinusite tornaram-se história. Após 4 anos de intensa atividade física, formado e trabalhando, o tempo para treinar diminuía cada vez mais. O trabalho era estafante e o cansaço cada vez maior. Comecei a fumar, o que fiz por dez anos, parando quando minha filha Júlia nasceu e retomando o vício no mesmo ano (1998), mantendo-o até dezembro de 2000, sendo que até agora, Deus me permitiu não fumar mais nenhum cigarro (a cada despertar é uma benção que peço).

Em 2000 já pesava mais de 90 Kg. Em 2003 cheguei aos 103 Kg (31 Kg a mais do que pesava aos 19 anos. Detalhe: tenho 1,73 m de altura). Sequer fazia caminhada. Doíam-me as pernas a qualquer esforço, jogar bola com os amigos era um sacrifício. Mas o que mais fazia me sentir pior era o medo de não ver minha filha crescer e olhar para o espelho e ver uma pessoa sem vontade de mudar.

Minha esposa Rosana sempre me incentivava a fazer alguma atividade e foi pensando nisso que em Novembro de 2003 procurei um médico e iniciei, além da mudança de hábito alimentar, a prática de caminhadas. Decidido, comecei a andar todos os dias, chovesse ou fizesse sol, no horário que “sobrasse”. Eram 40 minutos de “briga” com as dores no corpo e o cansaço. Logo passou a ser uma hora de “combate”. Em Janeiro de 2005 comecei a correr um minutinho depois da caminhada e a cada semana aumentava um minuto.

Orientando-me com amigos formados em Educação Física fui me aplicando mais e mais e em Julho já conseguia correr meia hora, sem paradas. Intensifiquei o ritmo e em Outubro já corria uma hora direto.

Meu “batismo” foi na Nike 10K. Convidado por minha irmã e meu cunhado, que há anos já se dedicam à prática de corrida, e com clima descontraído do evento, consegui fazer o percurso em pouco mais de 01 hora.

Hoje, minha “terapia” é correr. Se me sinto irritado, coloco o tênis, calção e camiseta e faço minha corrida. Ficaram para trás o desânimo, os vícios, 25 Kg e, além disso, tive a satisfação de servir de exemplo positivo a várias pessoas de meu convívio, principalmente minha esposa e filha. Parabéns pela iniciativa de vocês e espero continuar participando do convívio desse grupo de apaixonados pela Saúde.

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe



 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH