Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Mulheres descobrem as corridas de rua

23/02/2007, por Marcel Trinta

Não é de hoje que vemos o crescimento das corridas de rua. O número de adeptos cresce a cada dia, a cada prova. Recentemente foi realizado o primeiro evento com organização Corpore no ano de 2007, a 2ª Corrida e Caminhada Oral-B Prevenção do Câncer Bucal. Com o dia 08 de março chegando, o Dia Internacional da Mulher, pensamos em analisar alguns números e pudemos confirmar mais um outro fator desse crescimento: o aumento do número de participantes do sexo feminino.

Na prova de 1,5km mais de 65% dos participantes eram mulheres; nos 7km o número era menor (25%) mas mesmo assim demonstrou um crescimento na participação feminina.

Prova de 1,5km: 65% de participação feminina Prova de 7km: 25% de participação feminina

Analisando os dados gerais da Corpore, vemos um crescimento que se estende ao longo dos anos, principalmente a partir de 2003 . Hoje, 32% do total do cadastro Corpore é formado pelo que conhecemos por “sexo frágil”, mas nas corridas elas mostram que não é bem assim. Marilucia Bernardi, diretora de associados Corpore, corre há 15 anos e lembra de uma passagem: “Numa etapa de um circuito da Track & Field, em Campinas eu estava me preparando , aquecendo para a largada e um cidadão me falou que eu não deveria estar fazendo aquilo,

Cadastro feminino: 32% do total

pois corrida era coisa pra macho e começou a perguntar uma série de coisas a respeito de percurso, tempo, etc. Encurtando a conversa, fiquei danada com o comentário, me esforcei e dentro de meus limites, alcancei o dito cujo, o passei e na chegada fui perguntar-lhe se estava tudo ok com ele. Ele me disse que sim e que havia se enganado com o ‘sexo frágil’. Enfim, muitos homens deixavam-nos de lado, porém com o tempo isso foi mudando e creio que atualmente essa rivalidade não ocorra mais”.

Hoje não vemos mais fatos como esse e homens e mulheres dividem normalmente as ruas. E essa “aceitação” não é o único motivo que fez com que as mulheres começassem a praticar a corrida de rua. Rosana Rondinelli, corredora há pouco mais de um ano, fala sobre as emoções de estar em uma corrida de rua, emoções que ela descobriu durante todo o percurso e na chegada de sua primeira prova, a Flanax Run – Abertura do Circuito Corpore 2006. “Quando passei pelo tal tapete vermelho e a equipe da Corpore incentivando mesmos os últimos (como era o meu caso!) foi como se eu fosse a primeira a chegar! A minha primeira medalha, a minha primeira camiseta, o primeiro passo para eu alcançar a minha meta... Foi muito gratificante, fiquei muito feliz, pendurei a medalha como seu tivesse chegado na corrida em primeiro lugar!”, lembra Rosana. Essa mesma emoção teve Marilucia em sua primeira prova: “Ao cruzar a linha de chegada, depois de muito cansaço e sufoco, e com grande animação de colegas que me apoiavam, senti as pernas tremerem ainda mais, mas também uma alegria muito grande em ter conseguido completar a prova.”

David Cytrynowicz, presidente da Corpore, lembra que “as mulheres sempre tiveram uma grande participação em atividades de fitness e dentro das academias. Anos atrás as corridas de rua não eram tão bem cuidadas e hoje muitos eventos trazem conforto, segurança, enfim, uma grande organização. Ao perceber isso, as mulheres têm se aventurado a sair da esteira e correr na rua, o que é muito mais prazeroso”. E os dados do cadastro Corpore realmente afirmam isso.

Até 2002, o cadastro Corpore tinha 10.234 mulheres; agora, no início de 2007 temos 48.112, sendo que 14.137 entraram em 2006. Esse crescimento aconteceu em todas as faixas etárias, desde a infanto-juvenil até veterano, passando pelo adulto. Ou seja, novas provas, com mais cuidado e opção de distâncias, entre outras coisas, trouxeram mais atletas femininas para as ruas.

Analisando a participação feminina, podemos ver que as mulheres optam por distâncias menores. Quanto menor a distância, maior o número de mulheres participam. Para Tu Moon Ming, diretor de promoções e eventos da Corpore, isso acontece porque “as menores distâncias exigem menos e deixam o corpo melhor, pois não ‘secam’ tanto como grandes distâncias”

Já Marilucia lembra que já fez até maratonas: “Não saberia dizer neste momento porque a mulher geralmente fica nas distâncias pequenas. Eu já fiz 4 maratonas e curti. Hoje acho loucura, prefiro as mais curtas. O que pretendo é me exercitar e completar a prova bem, dentro do que eu sei que posso conseguir. Não preciso provar mais nada pra ninguém e nem pra mim mesma. Faço o que eu posso no meu tempo e fico muito feliz e acho que outras mulheres também pensam assim”.

Competir com você mesmo não é um pensamento exclusivo de Marilucia, muito menos das mulheres e é o que traz muitas pessoas para a corrida de rua. “A corrida é um esporte seu... você com o seu pulmão, com as suas pernas, com o seu pensamento e com o seu objetivo. Acho que o fato de você estar em sua companhia 100% do tempo e você "conversando" como você mesmo é extremamente gratificante. O tempo é seu, o espaço é seu e é um momento onde você vê e é visto. Você não precisa marcar gol, defender a bola ou acertar o buraquinho... você só tem que olhar para frente e passear!!! A interação, integração e entusiasmo é contagiante. O fato de ser literalmente na rua nos dá sensação de liberdade, correr a céu aberto... dá a impressão que o infinito é o seu objetivo, é muito legal... pessoas que você nunca viu te acenam, te aplaudem e te incentivam...”

Ações especiais, como a que será realizada na Corrida Hydra pela Economia de Água – Abertura do Circuito Corpore 2007, onde haverá camisetas com modelagem especial para as mulheres com entrega em ambiente diferenciado após a prova, tendem a fazer com que as mulheres participem cada vez mais das corridas de rua, aumentando a participação do sexo feminino nesse esporte, trazendo mais beleza e abrilhantando as ruas. Marilucia, que sempre está nas barracas de kit nos eventos Corpore vê esse crescimento ‘in loco’ e acredita que ele apenas começou: “Muitas corredoras estão levando suas filhas junto e estas ainda acabam levando as amigas. A corrida é um dos esportes mais acessíveis que temos. Não é necessário um grande investimento para ser saudável, ter controle do peso, fazer novas amizades e ter o espírito sempre em alta e paz, sem esquecer contudo, dos cuidados que isso exige. Vale a pena...”.

E, para variar, até nessa matéria a palavra final foi da mulher...



 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Marcel Trinta

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH