Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Minha História - Tunyo Kobuta

29/03/2007, por Corpore
Voltar para Menu das Histórias de Corredor

OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

Tunyo Kobuta

Minha história começa em junho de 2005, quando completei 40 anos e passei por exames de rotina. Neste exame foi constatado que a minha pressão arterial estava muito acima do recomendado. Meu peso era de 119 kg, minha alimentação era toda baseada em carnes e doces, eu quase não praticava esporte e quando tentava jogar futebol ficava vários dias com dores nos joelhos.

Tunyo, Carlos Eduardo(Caê) e Rosa

Conversei com meus amigos Fátima Cristina Leal Veloso e Paulo Henrique Peres da Silva, que me orientaram a procurar apoio médico, o que fiz. Procurei o Dr. José Carlos Queiroz, que por coincidência é corredor, o qual após consulta me disse que eu deveria tomar remédio para controlar a pressão arterial, ou se não quisesse tomar remédio eu deveria emagrecer, pois ele tinha certeza que minha pressão arterial estava alta devido ao meu peso. Eu disse para ele que achava impossível perder peso, ele me encorajou e disse que se eu realmente quisesse perderia peso, então me passou uma dieta alimentar.

Conversei em casa com minha esposa Rosa e com meu filho Carlos Eduardo (Caê), eles me apoiaram e me deram muita força, então comecei a minha dieta, ou melhor, minha mudança alimentar.

Ao começar essa mudança precisei de muita força de vontade e em 4 meses eu havia perdido 34 kg. Fiquei super feliz e sempre com o acompanhamento do Dr. Queiroz, comecei a fazer caminhadas e em seguida pequenas corridas, pois o Dr. Queiroz me ensinou quanto e como eu deveria correr, calculando inclusive os meus batimentos cardíacos.

Denise e Dimas

Eu recebi também o apoio de dois amigos que também são corredores o Dimas Bianchi e a Denise Aparecida do Nascimento. Comecei a correr 800 m, aumentando aos poucos esse percurso e em pouco tempo eu já estava correndo com eles 6 km. A minha aparência começou a melhorar pois quando se perde muito peso rapidamente a pele fica flácida e como eu não queria fazer nenhuma cirurgia para tirar o excesso de pele o melhor que tinha a fazer era correr e fazer exercícios localizados.

Bom, após muita insistência dos meus amigos Dimas e Denise, eu resolvi participar da minha primeira corrida que foi em 25/01/06, participei do IX Trófeu Cidade de São Paulo, uma corrida com 10 km, e para minha surpresa encontrei o Dr. Queiroz e muitos outros amigos. Inclusive o Dimas me acompanhou do início até o final da corrida, conversamos durante o percurso onde ele me perguntava se estava tudo bem, eu respondi que sim e continuamos a correr, quando eu percebi já estávamos chegando ao final, foi uma emoção muito grande terminar minha primeira corrida, só de chegar ao final e inteiro eu já estava muito feliz, fiquei ainda mais quando o Dimas olhou para o seu cronômetro e me disse que essa corrida tinha sido sua melhor corrida, ou seja, sua melhor marca em 10 km, gastamos cerca de 00:57 minutos.

Depois desta corrida, participei da corrida do dia 29/01/06, Corrida Oral B Prevenção do Câncer Bucal, corrida com 7 km, corrida esta que terminei com o tempo de 00:38 minutos, sempre acompanhado do Dimas e da Denise, o mais curioso é a quantidade de pessoas conhecidas que encontro nestas corridas.

Antes da minha 3ª corrida resolvi me filiar a Corpore, para poder correr mais, pois todos os amigos me falavam que correr vira vício e eu dizia que não, pois nunca gostei de correr, hoje estou ciente de que sou viciado. Bom, participei da 3ª corrida, que foi a abertura do Circuito Corpore –USP, Flanax Run, fiz o percurso de 5 km, com tempo de 00:26 minutos.

Na minha 4ª corrida, a Meia Maratona Corpore na USP, fiz o percurso de 6 km, e com mais três novidades, minha esposa Rosa, meu filho Carlos Eduardo (Caê) e meu cunhado Claudio Eduardo participaram comigo, pois eles viram o entusiasmo que chego em casa após uma corrida, pois é gratificante terminar o percurso, você chegar com a camiseta e sua medalha tem um valor tão especial, muito mais para quem a menos de 7 meses não conseguia correr nem 500 metros.

Hoje tenho participação em provas com quilometragens de 5, 6, 7, 10, 12 e 15 km, e também a companhia de meus familiares e amigos que consegui levar para participar das corridas.

Eu aprendi uma grande lição, a de que tudo é possível, de que podemos fazer sempre algo para melhorar a nossa saúde , eu tive o apoio da minha esposa Rosa que não deixava eu assaltar a geladeira, após o almoço e jantar, do meu filho Carlos Eduardo (Caê) , que parou de comprar doces, ou melhor, parou de deixar eles a vista para que eu comesse, dos meus amigos o Dr. Queiroz, a Fátima, o Paulo, o Dimas e a Denise, que me incentivaram a manter minha mudança alimentar e a correr, acho que além da força de vontade o principal é o apoio de familiares e amigos, pois são eles quem sempre me incentivaram, hoje com 86 kg, eu consigo correr e jogar futebol sem sentir dor nos joelhos e o principal minha pressão arterial está normal.

Um grande abraço e muito obrigado a todos.

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe!!



 
Últimas notícias
Centro Histórico 2019
Meia Maratona 2019
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH