Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

A importância da boa preparação para completar uma corrida

07/11/2007, por Marcel Trinta

A corrida de rua é o esporte mais democrático que existe: um par de tênis e disposição já podem ajudá-lo a ser um corredor, mas outros pré-requisitos são necessários para que você comece a participar de provas. Para se iniciar na prática é muito importante saber como está a sua saúde e ter o acompanhamento de profissionais para então fazer um bom treinamento e estar capacitado a disputar suas primeiras provas.

Mas, muitas vezes, as pessoas acabam descobrindo isso da pior maneira, como aconteceu com Alexandre Souza Borges na 4ª edição da Corrida Shopping Aricanduva Corpore, realizada em 07 de outubro. Esta foi a 3ª participação de Alexandre em uma corrida (a primeira aconteceu no dia 16 de setembro), mas ele não completou o percurso, pois enfrentou um problema próximo ao km 7, após uma decisão arriscada: “Na corrida eu tomei uma decisão de tomar água somente no Km 7 e até lá fazer umas passadas fortes para abaixar meu tempo da última corrida”. Vocês já podem imaginar (quem participou da prova pode até ter visto) o resultado disso tudo: Alexandre desmaiou e teve que ser atendido pela equipe médica da Corpore.

Milton Mizumoto, Diretor Médico da Corpore, atendeu a ocorrência explica o que aconteceu. “Quando o corredor não está preparado fisicamente o aumento na velocidade faz com que o calor produzido pela contração muscular não seja emanado através da transpiração. Como o dia estava quente e sem vento, o corpo começa a reter o calor fazendo com que o corredor desenvolva um quadro de hipertermia”.

Alexandre iniciou sua vida esportiva de uma maneira pouco indicada: “Não tenho nenhum acompanhamento, nem tempo para treinar. Encarei estas corridas no peito, sem treino”, afirmou, lembrando que o último check-up feito por ele foi há 2 anos.

Ao chegar no km7, depois de provas consecutivas sem treinamentos prévios e uma hidratação falha, Alexandre acabou tendo que ser socorrido. “Até o km 7 eu lembro percurso, lembro que estava conseguindo abaixar meu tempo de 5 minutos por km para 00:04: 30. Depois, quando dei conta do que estava acontecendo estava sendo atendido pelo posto médico e depois na ambulância. O atendimento foi muito bom pela preocupação, atenção e o mérito desses heróis, uma equipe fantástica. Mas, de qualquer maneira, para quem esta sendo atendido é horrível... O objetivo do atleta é terminar a corrida e não em uma ambulância...”

Apesar de ter dado tudo certo, a formação, informação, educação e conscientização do corredor que não corre normalmente é a melhor maneira de evitar esse tipo de problema, pois é impossível a equipe médica evitar ocorrências desse tipo, mesmo colocando uma UTI a cada Km.

“É importante que o corredor saiba quais são os seus limites. Uma prova deve ser sempre percorrida com respeito ao seu próprio corpo, não podemos querer fazer nada de diferente do que já foi feito nos treino, não há mágica, há sim treino sério a ser seguido de forma consciente. Quando seguimos todas as recomendações: treino consciente, respeitar o corpo, hidratar de forma constante e manter o ritmo da corrida de forma aeróbia, sem sentir desconforto respiratório, a corrida sempre acaba em festa”, afirma Milton.


Quanto ao Alex, problemas como esse não devem mais ocorrer: “Prometi para mim mesmo que não vou abusar mais do meu corpo, vou fazer a prova tranqüilo, sem querer buscar recordes”, afirmou bem humorado e o mais importante: vivo.

A logística médica das nossas provas é fundamentada numa base operacional na Tenda Médica da Chegada, ambulâncias UTIs com médicos e material de emergência dispostos no percurso e paramédicos equipados com DEAs e Bikes entre as UTIs.

Estamos em constante comunicação entre as unidades de atendimendo, reposicionando estas unidades de forma dinâmica durante o transcorrer da prova. Este reposicionamento faz com que o tempo de atendimento seja o mais próximo possível do momento da ocorrência médica.

Entretanto é necessário que o corredor respeite seus limites, pois caso contrário, não há estrutura ou logistica médica que consiga dar conta do recado, estaremos enfrentando um caos.

Admiro a conscientização do Alex após este epsódio, pedi para que ele colaborasse conosco contando a sua história e que ficasse de alerta aos corredores menos experientes.

Milton Mizumoto
Diretor Médico - Corpore

Confira aqui orientações médicas e dicas para a corrida!



 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Marcel Trinta

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH