Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Quer uma variação no treino? Comece a andar para trás - 25/04/09

28/04/2009, por Corpore

Matéria originalmente divulgada no Jornal da Tarde, no dia 25 de abril de 2009.


Quer uma variação no treino? Comece a andar para trás

Importada da China, uma técnica muito simples promete gastos calóricos 30% maiores num exercício físico simples: caminhar para trás. Pode parecer engraçado, mas o ortopedista Fabio Ravaglia, do Instituto de Ortopedia & Saúde, garante que, além de queimar mais, a prática é ótima para tratamentos para recuperação de joelhos e condromalacias (mal do corredor). Também é alternativa muito mais barata do que a hidroperatia. “No começo é difícil, pode dar até tontura se a pessoa for rápida demais, mas a técnica já utilizada em esportes como futebol e vôlei.”

Em viagem à China em novembro do ano passado, Ravaglia se surpreendeu ao ver pessoas caminhando para trás em parques e praças. De volta ao Brasil, resolveu difundi-la. “Ela fortalece a musculatura da coxa, sem forçar a parte da frente (anterior) dos joelhos, e também trabalha o equilíbrio, sem forçar as articulações”, explica o ortopedista. “Os chineses dizem que andar para trás melhora até o raciocínio.”

Os primeiros passos não são fáceis. “É uma questão de treino, de se adaptar, mas qualquer um consegue”, diz a professora de educação física Maria Goretti Leite. Ravaglia ensina que o jeito mais fácil é primeiro levantar a perna para o lado e depois pisar, com a ponta do pé. “Em subidas íngremes andar pra trás é mais fácil que pra frente, é intuitivo.”

A prática de andar para trás pode ser feita em esteiras, parques ou praças. “No Parque da Aclimação e na Luz, há grupos de coreanos que caminham para trás todas as manhãs”, conta o médico.

A prática, segundo Ravaglia, é importante para corredores porque trabalha de forma diferenciada o equilíbrio, fortalecendo músculos que não são usados com muita frequência, além de ser um aprendizado. Maria Goretti acrescenta que, além de todos os benefícios de uma caminhada normal, andar para trás também melhora a coordenação motora.

Todo último domingo do mês, o Instituto de Ortopedia promove atividades no Parque Trianon, na região da Paulista: caminhada, exames médicos e palestras com dicas de saúde (veja abaixo). “Fazemos o teste da pisada, postura, entre outros, tudo gratuito”, diz Ravaglia. “Temos apoio da Prefeitura e a ideia é difundir a prática de andar pra trás e tornar o evento cada vez mais conhecido.”


DICA 4ANY1

A modalidade esportiva influência o grau e o tipo de adaptação que será provocada no seu coração. A diferença do volume cardíaco médio de sangue de um corredor de longa distância é de cerca de 25% maior que em pessoas sedentárias. Portanto, a hipertrofia cardíaca é fundamental para poder suportar a carga de trabalho imposta pelo treinamento, resultando em um coração mais forte e menos propenso a cardiopatias. Aulus Sellmer




POR QUE EU CORRO

PATRÍCIA ATAULO, 41 anos, advogada especializada em comércio exterior


O incentivo das amigas levou a advogada Patricia Ataulo, de 41 anos, às primeiras corridas na pista de cooper do Parque do Ibirapuera, há quatro anos. “Corria para encontrar as amigas ”, conta Patrícia, que há um ano resolveu levar a atividade mais a sério e procurou um personal trainer. No entanto, por conta da postura incorreta, não identificada pelo profissional, a advogada acabou se machucando. “Tive uma fratura de estresse no ísquio.”

Patrícia mudou de academia e de personal. Hoje, treina três vezes por semana com a equipe Medley Triatlon, coordenada pelo professor de educação física Ademir Paulino. “Ele grava todos os alunos correndo. Assim, consegue corrigir a postura, é ótimo. Hoje, vejo como várias pessoas correm de forma incorreta e não sabem o risco que estão correndo.” Além de Paulino, ela fez um trabalho de fisioterapia funcional com a fisioterapeuta Rosana de Souza.

Em um ano, Patrícia já perdeu seis quilos e conseguiu parar de fumar. “Encontrei na corrida uma forma de relaxar da rotina estressante de trabalho.” Sua meta este ano é completar sua primeira meia maratona, a do Rio, em outubro. Força Patrícia!

 



 
Últimas notícias
Centro Histórico 2019
Meia Maratona 2019
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH