Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Força de pedra e graça de Pedrinha

26/4/2012, por Paula Diniz
Personagens - Corpore, 30 anos

 Entre na “conversa de roda” com a corredora Juliana Pedrinha





Juliana Pedrinha: nome dado carinhosamente a essa descendente de portugueses e índios pela avó índia há 73 anos em Piraí do Norte – PR. Como explicava sua avó, Pedrinha vem de pedra e quer dizer força. O diminutivo conota uma certa graciosidade que emana dessa mulher de 63 kilos e mais de 7 décadas que não se fazem notar em seu corpo robusto.

Com um sorriso permanente durante toda nossa “conversa de roda” – como ela mesma definiu que seria –, Juliana contou um pouco de sua história e nos cativou com sua leveza, beleza e seu jeito espontâneo, divertido e carinhoso.

“Quando eu morava em Piraí do Norte, trabalhava no cafezal e ia correndo para a escola, sempre por caminhos de terra. Eu era bem magrinha e corria muito, por isso me chamavam de saracura, mas eu não ligava nem um pouco para o bullying (risos).”

Quando estava com raiva e queria brigar, Pedrinha corria para a terra - ou, sendo mais exata, para a lama. “Era assim que eu me acalmava: me lambuzando de lama.”

Para casar com seu marido, 12 anos mais velho, Pedrinha fugiu. Tiveram uma vida feliz juntos, cheia de amor, carinho e companheirismo. Em 2004, aos 82 anos, ele faleceu. “Antes de ir, pediu que eu o enterrasse em um cemitério próximo de casa para ficar perto de mim”, lembra.


Pedrinha corredora

“Minha primeira corrida foi a São Silvestre. Eu tinha uns 50 anos e cheguei em primeiro lugar na minha categoria.”


Corredora da Corpore desde que aderiu à corrida de rua, ano passado ela participou de nove das nossas corridas e diz que melhoraram muito: “Antes não tinha um lugar para trocar de roupa. Agora tem o Espaço Mulher: eu chego, tenho conforto, guardo minhas coisas, faço massagem... é muito bom! Gosto de todas as corridas da Corpore, principalmente quando largam na Praça Pan Americana.”



Em novembro de 2011, Pedrinha caiu na corrida "São Paulo Classic - Troféu Zumbi dos Palmares", em novembro. Com a queda, machucou o ombro esquerdo e precisou fazer uma cirurgia no tendão. Ficou cinco meses sem participar de corridas, embora treinando.

Há pouco tempo ela foi liberada pelo médico para voltar a correr. Não demorou e aqui estava ela, garantindo suas inscrições para quatro corridas da Corpore: GRAAC (06/05), 17ª Bombeiros (01/07), 17ª Centro Histórico (12/08) e 10ª Duque de Caxias (02/09). “Essas quatro por enquanto”, avisa.


Saúde de pedra

“Detesto remédio. Se for pra gastar, que seja com exercício, com saúde; não com doença.”

Pelo visto, em saúde ela investe mesmo. Faz aulas de teatro, alongamento, capoterapia (terapia baseada na capoeira), condicionamento físico e dança afro, tudo no Centro de Referência da Cidadania do Idoso (CRECI). Além disso, vai correndo do Bom Retiro até o Parque do Ibirapuera três vezes por semana, “de preferência em percursos de terra”.


Ser Pedrinha

É fácil se encantar com Pedrinha, mas sua maior fã – a maior mesmo – é a netinha de cinco anos: “Para ela, sou uma heroína”, conta toda sorridente. "Quando ela vai em casa, brincamos de corrida, ela adora! Com direito a pódio, premiação com troféu e tudo mais. Damos a largada e saímos correndo pela casa", diverte-se e dá risada.

Durante nossa conversa, Pedrinha compartilhou conhecimentos e, mais do que isso, sabedorias que põe em prática no dia a dia.

Colocamos tudo “na roda” aqui para você:

Diversão => “Até o ano passado (aos 72 anos), antes de machucar o ombro, eu costumava subir em árvores e lá ficava, pendurada de ponta-cabeça. Ah, eu adorava! (risos) Em Piraí do Norte eu também gostava de caçar, pescar... Hoje gosto de ir aos brinquedos do Playcenter ou de outros parques desse tipo. Gosto principalmente do tiro ao alvo. Não sou de time nenhum, mas adoro futebol.” Pedrinha também gosta de teatro, inclusive recomenda uma peça que viu recentemente: “Um violinista no telhado”.



Trabalho => "Hoje sou aposentada, mas fui costureira e tinha uma oficina de costura."

Treino caseiro => "Eu mesma me treino. Faço aulas, aprendo os exercícios e depois pratico sozinha em casa. Faço exercícios para fortalecer as pernas com uma bola. Também uso uma pilha de jornal ou um banquinho para apoiar uma perna de cada vez enquanto lavo roupas. Muitos exercícios eu aprendi com minha avó índia. Faço ginástica quase o tempo todo. Levo a vida como se nunca estivesse trabalhando e sim exercitando o corpo e a mente a todo momento."

Ela também ensina a fazer exercícios para firmar os músculos e a pele do rosto.

Veja:
 


Troféus => "Tenho um monte de troféus, nem sei quantos... bem mais de 100. Até doei alguns grandes que não tinha onde guardar para jogadores de futebol usarem nos campeonatos deles. Eles adoraram!"

Dicas de Saúde e Beleza => "Sempre comi alimentos saudáveis e sempre gostei. Suco de beterraba com abacaxi ou com limão é uma delícia. Também gosto de comer bastante folha e de ser ativa. Sou eu quem troco as lâmpadas da minha casa, sou eu quem faço tudo lá.”

Alimentos que come e recomenda => "Jiló cru, beterraba crua, leite de soja ou de vaca mesmo e... pouquíssimo açúcar!"

Segredos de Bem Viver=> "Alegria, alimentação saudável (e natural) e o corpo sempre em movimento."


*Dica valiosa de Pedrinha:

"Se estiver com raiva ou medo, uive como os lobos para por tudo pra fora."

Assim:






oooooouuuuuuhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!!








Essa é Juliana Pedrinha.


 
Últimas notícias
Livro Missão Corpore
Centro Histórico 2019
Meia Maratona 2019
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
 
Por: Paula Diniz

2002-2021 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH