Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

II Corpore Campos do Jordão - Veja como foi

20/09/2004, por Marcel Trinta

Depoimentos
Clique aqui para ver os resultados finais e premiação
Atendimento Médico
Galeria de Fotos
Minha História - Andréa Colen Sarubbi, integrante da última equipe a cruzar a linha de chegada

Corrida, ciclismo, emoção, tática, montanha, técnica, poeira, união, organização, ética, confraternização... esses foram apenas alguns dos ingredientes que fizeram parte da II Corpore Campos do Jordão – 122K de Corrida e Bike na montanha.

Logo às 6h30 da manhã do dia 18 de setembro, as 5 primeiras equipes partiram para completar essa prova de revezamento, na qual a última equipe chegou às 17:29:29. Mas o trabalho para a organização de um evento como esse, como a grande maioria já deve saber, não se resume a essas 11 horas de prova. Meses antes da largada, o percurso é criado, analisado, muitas medidas são tomadas para que tudo ocorra de forma tranqüila.

É na quinta-feira pré-prova (16/09) que todo o staff Corpore saí de São Paulo e chega em Campos para definir os últimos detalhes desse evento que não traz somente emoção aos participantes, mas também benefícios aos moradores da cidade. “Acho que todos deveriam saber do respeito que a Corpore demonstra e tem com as pessoas da cidade. Eles mostram as coisas boas que a cidade tem e nos dão espaço para trabalhar, competir e mostrar o que podemos oferecer”, afirmou Marcio Correa do Prado, secretário de esporte de Campos do Jordão.

E é na própria quinta-feira que os fiscais de percurso (todos são moradores de Campos) se reúnem na intendência localizada em frente a arena da prova para saber com detalhes as funções que exercerão durante a prova.

Na sexta-feira, acontece a entrega de kits para as equipes contendo números de peito, placas de bikes, camisetas, torrones Montevérgine, e tudo o que as equipes precisam para participar da prova. Enquanto os kits são retirados, o percurso é conferido mais uma vez e as placas de sinalização são colocadas para que os atletas saibam que caminho tomar.

Quando tudo parecia estar bem, na madrugada de sábado surge uma tensão: chove forte na cidade. Mas bem antes da largada a chuva já havia parado e o evento contou com mais um ingrediente: a sorte, pois além de não cair uma gota d’água durante toda a prova, a chuva da madrugada deixou a terra batida e a poeira não chegou a atrapalhar os corredores quando passavam por trechos de terra.

Até às 7h25, quando largaram as últimas equipes, a movimentação foi intensa na arena, esse ano montada em um lugar mais centralizado e de fácil acesso, a Praça do Pinho Bravo. Próximo a prova aconteceu a largada das bikes. O primeiro trecho, de 19,32km, foi feito em duas baterias. O percurso foi diferente do ano passado e muito mais técnico. “O trecho da bike foi melhor do que no ano passado e só não é melhor do que o que teremos no ano que vem”, afirmou David Cytrynowicz, presidente da Corpore.

E foi justamente nesse trecho que a equipe médica teve trabalho e cumpriu muito bem a sua função. Alessandro Michell, da equipe Trilopez Mizuno 4, acabou se acidentando e conta o que aconteceu: “Eu estava entre os líderes na minha bateria, quando tive um problema com a bike. Enquanto arrumava fui ultrapassado por vários atletas e quis tirar a diferença. Fui muito rápido e em uma descida eu não consegui fazer a curva, caí em um buraco e bati o queixo. Em alguns minutos já estava o Dr. Milton (Mizumoto, diretor-médico) me costurando. Tomei 6 pontos; eles foram bem rápidos no atendimento e depois me levaram ao pronto-socorro pra tomar um antitetânico. O atendimento foi muito bom e quero registrar o meu agradecimento”.

Durante o percurso da prova, víamos corredores em um misto de esforço, cansaço e felicidade. Era unânime a opinião de que correr provas de rua é muito bom, mas as corridas de Campos do Jordão e Ilhabela trazem mais união, confraternização e o esforço é sempre recompensado pelas lindas paisagens. “Olha essa prova é muito difícil e é preciso garra, vontade e gostar muito e eu amo correr. Desde que a Corpore começou, participo de tudo e é tudo maravilhoso. Esse evento é fantástico, a prova é ótima, uma grande paisagem e vale a pena o sofrimento. É muito, muito, melhor que uma prova normal. Isso aqui é lindo”, afirmou Gilca Alves Novaes, da equipe Trilopez Mizuno Citroen 1.

Um dos trechos mais difíceis da prova era a subida da Vila Campista. Durante esse trecho, que é totalmente íngreme, muitos atletas caminhavam em algumas partes. Rodrigo Kuruzu Akutsu, da Long Life Sports, ofegante ao final do trecho conta como foi: “Essa é minha primeira prova de aventura e estou gostando muito. Peguei logo um trecho muito difícil, com uma subida bem travada. Tive que parar pra dar uma caminhada em alguns instantes”.

O Pico do Itapeva também exigia muito dos atletas, e por esse motivo, contou com uma premiação individual para os mais rápidos. Porém, diferente do trecho 6, a paisagem durante o percurso era um show a parte, como é de costume na cidade de Campos do Jordão.

Com o tempo de 7:15:25, a forte equipe da Find Yourself/Segasp, acostumada a sempre ter atletas no pódio nas corridas de rua, foi a primeira a passar pelo pórtico de chegada e vencer a prova. A última equipe a cruzar o pórtico foi a Antílope Branco, seguida pelos diretores, staff e patrocinadores da prova, que fizeram o último trecho acompanhados pelas ambulâncias e motos finalizando com uma festa a prova, mas não o dia de trabalho. Foi aí que começou o trabalho definição dos vencedores. E resolução de problemas.

Por não conhecerem o percurso, algumas equipes “cortaram” caminho no trecho 1 e correram 2km a menos. Outras, ao perceberam o erro, voltaram e correram 2km a mais. Por isso, para efeito de classificação final, o trecho 1 foi eliminado.

No café da manhã de premiação, que aconteceu no domingo no Hotel Satélite, os corredores souberam tudo que aconteceu e puderam conferir todos os resultados da prova. David afirmou que “tudo isso é sinal de que a comunidade de corredores tem como resolver todos os assuntos de forma ética e honesta”.

Mais uma vez, após uma forte chuva durante a noite, o sol apareceu e uma linda manhã fez parte da premiação que, com um lindo cenário, coroou o final desse grande evento.

Confira aqui o resultado final e os premiados na prova.

 

fotos: Marcel Trinta


Em breve: galeria de fotos, dados e muito mais!!



 
Últimas notícias
Centro Histórico 2019
Meia Maratona 2019
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
 
Por: Marcel Trinta

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH