Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

10ª 10K Corpore SP Classic - Veja como foi

20/11/2004, por Marcel Trinta

Resultado do Ranking Corporativo
Galeria de Fotos
Premiação
Resultados
Vídeo
Setores de largada - funcionamento
Depoimentos

Ao longo de seus dez anos de existência, a 10K Corpore SP Classic se caracterizou por ser uma prova que reúne milhares de atletas, confraternização, inovação, disputa e muita festa. E a edição de 2004, realizada na manhã do dia 20 de novembro, serviu para comprovar isso.

As inovações já se confirmavam antes mesmo da prova. Primeiramente, foi feito um percurso inédito, o qual Armando Santos, diretor-executivo da entidade e idealizador do trajeto, afirmou ser o percurso dos sonhos dele. “Não foi fácil de consegui-lo, pois passa por vias importantes da cidade, mas acho que valeu a pena em função da prova que agregou mais de 11 mil pessoas para a prática do esporte e justifica um sacrifício”.

E o percurso agradou os atletas e até Gordon Rogers, diretor técnico da AIMS (Associação Internacional de Maratonas e Corridas de Rua) que veio acompanhar a prova. “Gostei muito do percurso. Estive aqui no ano passado e achei esse muito melhor. Passou pelos túneis, as avenidas... Foi muito bom”.

Outra inovação foi a criação dos setores de largada, coisa inédita no Brasil. Com isso, a Corpore mostrou mais uma vez a sua preocupação com o bem-estar dos corredores, pois dessa forma eles estavam com pessoas que tinham o mesmo ritmo e podiam fazer a corrida e a largada mais tranqüilamente, aproveitando o percurso e as atrações.

A primeira atração estava logo no início da prova, na República do Líbano, onde uma banda tocou durante a corrida, animando as pessoas que estavam no início da corrida e incentivando aqueles que tinham cerca de 1km para chegar ao final e já estavam passando novamente pela avenida. Som ao vivo também dentro do túnel Tribunal de Justiça, o único local onde o percurso não era plano, devido as subidas e descidas para entrar e sair do túnel.

Percurso quase todo plano, largada por setores, incentivo e tempo agradável fizeram com que todos os atletas pudessem forçar um pouco o ritmo nessa prova, e com isso, os quenianos conseguiram tomar a dianteira. No km 3 Lawrence Kiprotich e Mathew Cheboi conseguiram se distanciar do resto do pelotão de elite e seguiram para completar a prova nas primeiras colocações. Paulo Alves dos Santos ficou em terceiro e afirmou que “eles vieram bem e darão muito trabalho nessas provas no final de ano. Mas vamos pra cima que é possível vencer”.

Já entre as mulheres, Maria Zeferina Baldaia não quis perder o costume adquirido nas últimas provas da Corpore que participou e venceu mais uma vez, não dando chances para as quenianas. “Elas são novas, mas quando falam em quenianas já ficamos preocupadas. Porque queniana, canela-fina corre muito, então temos que estar sempre junto, ombro a ombro e não deixar distanciar”.

Com o fim da prova, a festa saiu das ruas e foi para o pátio da Assembléia Legislativa, onde aconteceu a premiação geral, do Troféu Fleury, PNEs e faixas etárias, além de sorteio de brindes Nike aos participantes.

E após toda essa festa, pudemos notar que o número de adeptos ao esporte continua a crescer, seja em busca de uma melhor performance, qualidade de vida ou apenas participar de uma grande festa que reúne milhares de pessoas por ruas que normalmente são tomadas de carros e por alguns minutos parece ter um “congestionamento humano”.

Confira a premiação e os resultados da prova.

Em breve: galeria de fotos, dados, depoimentos, vídeos e muitos mais!!

Depoimentos


"Fiquei muito feliz de poder voltar para a corrida esse ano. Vim no ano passado e foi muito bom, mas tenho que dizer que esse ano foi melhor. Gostei muito do percurso, os dois túneis, a volta, e na minha opinião esse percurso foi muito melhor, bem mais rápido. A organização é de primeira classe. Eles tratam das coisas tão bem e facilmente que me impressionou. Foi um dia muito bom. Vimos muitos corredores e isso está acontecendo no mundo todo com mais pessoas participando das provas, inclusive mulheres."

Gordon Rogers, diretor técnico da AIMS

 

"Corro mais maratonas e meia - maratonas, mas essa prova foi muito boa, rápida e consegui vencê-la."
Lawrence Kiprotich, vencedor da prova

"É muito bom estar aqui novamente, pois fiquei quase 2 anos parado. Tive duas contusões sérias e acabei ficando sem poder correr. Estou contente pois consegui competir dois finais de semana seguidos sem sentir nada e fiz a prova para 32 minutos. Agora é dar prosseguimento."
Luiz Antonio dos Santos


"Essa foi a primeira vez que venci a SP Classic e a prova foi maravilhosa, com um percurso novo, diferente e eu acabei sentindo um pouquinho porque ainda não tenho a prática do percurso, mas a prova foi muito gostosa."
Maria Zeferina Baldaia, vencedora da prova

 

 

 

"O percurso foi rápido, principalmente na primeira parte. Acho que corri muito rápido no início da prova, o que prejudicou minha performance no final. Eu achei que dava e resolvi atacar desde o inicio. Gostei desse percurso e tende a ter tempos melhores."
Paulo Alves dos Santos, terceiro colocado

 


"A Corpore olha com todo carinho para todas as provas, mas essa tem alguma coisa de especial, pois foi com ela que a Corpore saiu para a rua pela primeira vez, antes as provas sempre eram no parque. Com isso, as inovações acabam aparecendo nela. A SP Classic foi a primeira no Brasil que teve a elite feminina largando antes do geral. Essa edição foi a primeira do Brasil que teve setores. Já tentávamos educar os atletas usando placas de ritmo, mas é difícil conseguir que todos obedeçam as placas. Dessa forma elas tiveram que largar no setor delas. Mas a intenção é que as pessoas percebam que isso é benéfico pra elas, os mais rápidos ficam na frente, a largada flui melhor evitando atropelos."
Armando Santos

"Numericamente já é a maior prova da Corpore, mas ela é grande por conseguirmos coisas inéditas. O percurso, setores de largada, Elite feminina A e B juntas, largando antes também é inédito, pois antes só saia a A. Mas o mais importante é o que isso simbolizou: uma avenida como a Juscelino Kubitschek, sempre cheia de automóveis teve hoje um congestionamento de corredores. Fico feliz de ver isso e espero que a gente consiga mais apoio para trazer mais locais abertos aos corredores."
David Cytrynowicz




 
Últimas notícias
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
Calendario de Eventos AIMS
Calendário AIMS
Curso Nacional de Nutrologia
 
Por: Marcel Trinta

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH