Siga a Corpore
A Corpore LinksContato
 

Minha História - Cristiane Pereira Moura

23/06/2005, por Corpore

Voltar para Menu das Histórias de Corredor
*Texto de no máximo 4 mil caracteres [ou duas (02) páginas]
**máximo cinco (05) Imagens em JPEG - resolução 150 DPIS
OS TEXTOS SERÃO REVISADOS E EDITADOS SEGUNDO CRITÉRIOS DE REDAÇÃO CORPORE.ORG.BR
Exclusivo para Associados Corpore

Cristiane Pereira Moura

Meu nome é Cristiane Pereira Moura, tenho 37 anos e moro em Jundiaí-SP. Minha história com corridas começou meio sem querer. Na infância e adolescência era meio sedentária, não gostava de correr, só curtia andar de bicicleta. Casada, mudei-me para Jundiaí, tive 2 filhas,engordei e a vida que levava não me permitia fazer nenhum tipo de exercício, além do sedentarismo já instalado.

Quando minhas filhas entraram no período escolar, tive a oportunidade de fazer caminhadas.Minha casa fica próxima a uma estrada que leva à Serra do Japi, arborizada, com um visual bacana e perfeita para correr e caminhar. Isso foi em 2000. Fazia as caminhadas sem muita disciplina, "abrindo o bico" de cansaço em 2 subidinhas que tem no percurso, mas mesmo assim eu ia. E sempre passavam por mim os corredores, mais homens do que mulheres, entre eles 2 que me chamavam a atenção: um rapaz cujo ritmo era de maratonista, e um senhor, cabelos brancos, gordinho, mas que corria todos os dias, camiseta suada, e sempre com um sorriso no rosto. E eu pensava: "puxa, eu aqui nesta caminhada boba, sofrendo com uma subidinha de nada, e este senhor esbanjando saúde na corrida".

Juntamente com isto, eu assistia a São Silvestre fascinada todos os anos. Nem sonhava com a hipótese de
participar dela. Aí, certo dia disse a mim mesma: "Vou Correr!" Passei por um médico, fiz o teste de esforço e liberada para correr, comecei a treinar. Não tinha e nem tenho treinador, mas lendo muitas coisas a respeito - entre elas o livro do Nuno Cobra , A Semente da Vitória - comecei a correr (era outubro de 2003), 200 metros dentro de um percurso de caminhada de 4 km. E fui aumentando aos poucos, semana a semana, mês a mês, até atingir 15 km, (em setembro de 2004) pois o meu objetivo era a São Silvestre. Quando consegui chegar a este ponto, nem eu mesma acreditei - sozinha (literalmente), pois não tenho companhia para correr, certamente com o descrédito de muitas pessoas (de forma velada), mas com o apoio de tantas outras, entre elas meu maridão Élio, meu maior incentivador, minhas filhas Júlia e Beatriz, amigos e companheiros de caminhada.

Antes de atingir os 15 km, porém, me inscrevi para os 10 k Nike, da Corpore, em maio de 2004, para correr 5 km, que fiz em mais ou menos 36 min. Para mim foi todo um universo novo que se abriu quando cheguei à USP, na véspera, para pegar o kit. Vendo todas aquelas pessoas ligadas, sintonizadas em um único objetivo que é cuidar de sua saúde, com alegria, me dei conta de quanta coisa boa rola neste mundo, um mundo do qual nem nos damos conta de existir, se não participamos.

Participei da corrida Nike, cheguei super bem, sem cãimbras, sem mal-estar, com pique para correr até mais. Depois, participei de outra corrida aqui de Jundiaí (8 km do GAC) em agosto de 2004, e finalmente, no dia de meu aniversário, fiz a inscrição on-line para participar da São Silvestre.

Certa vez, viajando, pedi ao meu marido para marcar a quilometragem de um ponto e me avisar quando daria 15 km, a fim de termos a noção de quanto seria. O percurso ia rolando e eu perguntava - Quanto foi até agora? - e ele dizia : - 6 km. Eu pensava - 15 km ?? Não vou conseguir!! Mas CONSEGUI ! Apesar do sol, da inexperiência, fui,vi, e venci a mim mesma e a tantas outras coisas que surgem no caminho. Curti cada passada, cada paisagem, o apoio de cada um que nos assiste, e a virada da Brigadeiro para a Paulista, a marca da chegada, é um momento que fica pra sempre, história pra contar para os nossos netos. É claro que não paro por aqui. Meu próximo objetivo agora é uma Meia maratona e depois uma maratona, mas a maior e melhor vitória que pode existir eu já consegui: determinação, afinco, acreditar em mim mesma, pois como diz Nuno Cobra, se chega à mente pelo corpo, e se eu pude chegar até aqui, eu posso muito mais!

A corrida é para mim uma terapia, uma meditação, onde sinto cada passada, o ritmo de minha respiração, é um momento só meu, além de tantos benefícios físicos que adquiri, como baixa da pressão arterial, um corpo mais definido e mais magro, TPM sob controle e alto astral em dia.Nem penso em parar. Quero chegar aos 80 correndo no grupo de veteranos. Quem corre sabe bem que é assim que a gente se sente, e para quem está começando ou quer começar, não desista...Correr é um vício ótimo, uma delícia!

Cristiane.

Associado Corpore: Gostou da história que acabou de ler? Pois então colabore com esta coluna. Divida suas histórias com outros corredores. Para isso, nos envie seu texto* e imagens** para [email protected] e aguarde a publicação aqui no site! Participe




 
Últimas notícias
Centro Histórico 2019
Meia Maratona 2019
Análise genética potencializa resultados de dietas e ati ...
Livro do Murakami
Treinamento Mental
Certificado AIMS Meia Maratona
Pesquisa dor nos ombros
Sedentarismo no Brasil
Global Running Day
Meia Maratona 2018
Centro Histórico 2018
 
Por: Corpore

2002-2019 Corpore. Todos os direitos reservados. Política de privacidade
Orgulhosamente desenvolvido pela FTECH